1 Dança Sofia Coelho

Vamos lá dançar de lingerie!

Sejam muito bem-vindas ao primeiro artigo de blog da  Bôlter Intimate. Deste lado, quem vos escreve é a Sofia Coelho, bailarina de profissão, mas principalmente de coração. Sou formada pela Escola Superior de Dança desde 2017, mas a minha formação começou bem antes. E não falo de escola não, falo da formação adquirida com a experiência de pisar palco desde os meus 10 anos. E é através desta experiência que vos escrevo sobre dança e como ela pode e deve contribuir para a nossa autoconfiança. Sim, porque desde os meus 10 anos tive de aprender a lidar com o meu corpo e com a forma como ele se consegue expressar. Por isso, embarca comigo nesta viagem de amor-próprio e de autoconhecimento.

A dança: o momento mais presente, puro e honesto que podemos vivenciar. É o momento de entrega do nosso corpo e mente á nossa alma. 

Quando dançamos, a nível “físico” libertamos endorfina, ou seja, libertamos stress. A nível “mental” libertamos serotonina, a hormona do prazer. É preciso explicar mais?
Mas afinal, o que é que o teu corpo consegue fazer por ti? Já o questionaste? Já lhe deste espaço e tempo para isso? Ou preferes manter o “tenho vergonha”, “isso não vale a pena”, “sou demasiado isto ou aquilo para dançar”, “não sei como se faz, pareço ridícula”. Estás apenas a adiar o teu conhecimento e controlo sobre o teu corpo.

A dança, juntamente com a música permite-nos transcender para uma dimensão bem mais leve, e com muito mais amor do que aquela a que estamos habituados a viver. A música é a primeira ferramenta a usar neste processo de libertação. A melodia é o canal de passagem para a próxima dimensão e o amor o combustível que nos mantém vivas lá. E a descoberta de nós é o que nos faz querer voltar lá, vezes e vezes sem conta. 

Para nos saber amar, primeiro temos de nos conhecer e aceitar. Sabes o que podes fazer em relação a tudo isto? DANÇA, sente o teu corpo através do teu movimento. Como? Eu vou-te sugerir algo:

  1. Coloca a tua melhor lingerie, aquela que te faz sentir ainda mais bonita do que já és.
  2. Coloca a tua música preferida. Aquela que desperta o que de melhor há em ti. A que te dá vontade de gritar ao mundo aquilo que sentes, quer seja divertida, melancólica, sensual, a que tu mais amares.
  3. Fecha os olhos. Entende que aquele é o teu momento. Não tens ninguém á tua volta. Ninguém vai ver, ninguém vai comentar. Ninguém vai saber. Fecha os olhos, estás só tu. A tua alma. Deixa-a expressar-se.
  4. Sente a música. As batidas e o que isso está a provocar no teu corpo. Se precisares de te manter imóvel por alguns minutos, fica. Está tudo bem. É o teu processo.
  5. Agora só precisas de deixar o teu corpo seguir o que a tua alma quer. Não te esqueças, quem comanda é a alma, o corpo apenas obedece.

E durante estes minutos, a energia que estarás a libertar vai inundar o universo de amor-próprio e combater todos os estereótipos que até então foram criados. Agora imagina, se todas as mulheres do mundo o fizessem em simultâneo. Imagina só a onda de amor-próprio que o mundo estaria a receber. Mas como não podemos controlar as vontades de umas das outras, vamo-nos focar naquilo que podemos controlar:

Dançar na nossa melhor lingerie.

Sofia Coelho

 

Tags: No tags

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *